descanso-dos-trabalhadores-uma-questao-de-saude

 

Descanso dos Trabalhadores: Uma questão de saúde
Rodrigo de Lacerda Carelli

A legislação trabalhista prevê uma série de descansos
para o trabalhador, sejam eles durante a própria jornada de trabalho, como
também entre duas jornadas. Esse descanso, ao contrário do que tem servido,
não é para aumento nos ganhos dos trabalhadores, pelo pagamento de
percentuais de hora extraordinária. Em verdade, tais descansos são
obrigatórios e têm sua razão de ser na garantia da saúde mental e física dos
trabalhadores. A força de trabalho brasileira tem sido aos poucos destruída
pelo excesso de jornada e falta de concessão dos intervalos legalmente
previstos, ficando milhares de jovens trabalhadores impossibilitados de
conseguir novas vagas no mercado de trabalho por condições físicas
depauperadas em empregos anteriormente assumidos.
As leis trabalhistas prevêem descansos de duas
modalidades: entre as jornadas de trabalho (chamado “intervalo
interjornadas”) e dentro da jornada de trabalho (denominado “intervalo
intrajornada”).
Entre duas jornadas de trabalho, o trabalhador deve
descansar 11 horas, mesmo que tenha realizado horas extras (art. 66 da CLT).
Assim, se um trabalhador deixou o trabalho às 20 horas, somente poderá
retornar às 07 horas do dia seguinte. Esse intervalo não é contado juntamente
com a folga semanal do trabalhador. Assim, se a folga recai em um domingo,
saindo às 20 horas do sábado, somente poderá retornar ao trabalho às 07 horas
da segunda-feira.
Dentro de uma jornada de trabalho, quando superior a 4
horas, também deverá haver um intervalo. Quando a carga diária for até 6
horas, esse intervalo deverá ser de 15 minutos (art. 71, § 1º, CLT). Quando a
carga for superior a 6 horas diárias, esse intervalo deverá ser de no mínimo 1
hora e de no máximo 2 horas, podendo ser aumentado por convenção ou
acordo coletivo com o sindicato da categoria (art. 71, CLT). O intervalo de 1
hora também pode ser reduzido, mediante autorização do Ministério do
Trabalho e Emprego, caso a empresa tenha refeitório e não submeta seus
trabalhadores a regime de horas extraordinárias (art. 71, § 3º, CLT).
As mulheres ainda têm direito a 15 minutos de descanso
antes de iniciar a realização de horas extraordinárias (art. 384, CLT).
Esses intervalos são para repouso e alimentação e não são
computados na jornada de trabalho. Ou seja, o trabalhador que cumpre carga
de 6 horas diárias, deverá trabalhar, por exemplo, 3 horas, cumprir o descanso
de 15 minutos, e depois retornar para trabalhar mais 3 horas.
O art. 72 da CLT, que constava na redação original dessa
Consolidação de Leis, em 1943, previa que em trabalhos permanentes de
mecanografia (datilografia, escrituração ou cálculo), a cada 90 minutos
deveriam ser concedidos descansos de 10 minutos, não deduzidos da jornada
de trabalho. Com o ocaso das máquinas de escrever e sua substituição pelo
computador, o Tribunal Superior do Trabalho chegou a entender que aos
digitadores vigora tal regra (Súmula nº 346). Entretanto, enganou-se a Justiça
do Trabalho. Tal previsão levava em conta os equipamentos existentes, por
óbvio, à época, não atendendo mais às necessidades atuais. Por esse motivo,
essa regra foi modificada pelo item 17.6.4, alínea “d, da Norma
Regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego nº 17, que estabelece
normas de ergonomia nas empresas. Assim, a nova regra impõe que os
digitadores, e qualquer pessoa que trabalhe com inclusão de dados “deve
haver, no mínimo, uma pausa de 10 (dez) minutos para cada 50 (cinqüenta)
minutos trabalhados, não deduzidos da jornada normal de trabalho”. A regra
mais benéfica ao trabalhador se justifica pelo avanço da tecnologia de
informática, onde cada vez mais se exige atenção e rapidez na inclusão de
dados. Desta forma, não somente nas atividades puras de inserção de dados
(digitadores), mas também nas de “telemarketing”, onde há inserção de dados
acumulada com atendimento telefônico (também altamente nociva à saúde do
trabalhador), a cada hora na empresa, dez minutos deverão ser de descanso.
Esses descansos, no entanto, não eliminam outros dentro
da jornada, como as pausas para hidratação e para ir ao banheiro, que não
poderão ser limitadas pelo empregador. Principalmente neste último caso,
encontramos situações em que os trabalhadores estão sendo proibidos de
realizar suas necessidades fisiológicas durante a jornada, ou quando é
permitido, o tempo é muito limitado. Tal controle é totalmente ilegal e ameaça
a dignidade da pessoa humana. O empregador somente pode impedir o
trabalhador em caso de abusos comprovados, não ocasionados pelas
necessidades corpóreas do trabalhador.
A trabalhadora que for mãe também tem direito a dois
intervalos de meia hora cada para amamentar seu filho, até que ele atinja 6
meses de idade (art. 396, CLT), podendo, por autorização do Ministério do
Trabalho e Emprego, ultrapassar esse período de 6 meses, caso a saúde do
filho exigir.
Assim, há a previsão na lei de uma série de descansos
para os trabalhadores, sendo estes destinados à restauração das suas condições
físicas e mentais, comprovadamente atingidas quando não concedidos tais
pausas para recuperação.

 

Publicado originalmente em https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=0ahUKEwis-sW32PbRAhVDG5AKHSfRADoQFggjMAA&url=http%3A%2F%2Fwww.cis.puc-rio.br%2Fcis%2Fcedes%2FPDF%2Fcidadaniatrabalho%2Fdescanso%2520trabalhadores.pdf&usg=AFQjCNGcMfR-ItFo6hQuItIwfU_EnbTkgQ&sig2=rtTAdt3mUEXZVINkniNnTg&cad=rja